Como fica o financiamento de imóveis após as últimas altas da Taxa Selic?

Compartilhe:

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

O Copom (Comitê de Política Monetária) elevou a Selic para 12,75% nos primeiros meses de 2022. Isso marcou um novo patamar para a taxa que pela primeira vez, desde meados de 2017, ainda não havia atingido a casa dos dois dígitos.

Agora, o que muito tem se fado é sobre qual é o impacto real e o que isso significa para o mercado imobiliário. De maneira geral, diversos especialistas afirmam que a alta na Taxa Selic deverá sim encarecer as taxas praticadas no mundo imobiliário. Porém, é certo de que existem estimativas que mostram que essa recente elevação dos juros que vem acontecendo ao longo do último semestre não deverá causar muitos estragos na concessão de crédito.

O que a Taxa Selic tem a ver com imóveis?

Os juros praticados no mercado imobiliário brasileiro seguem de perto as taxas de juros básicos, definidos pela Selic, o que faz que, atualmente, seja consideravelmente barato financiar um imóvel em comparação com outros períodos da economia.

Nos últimos meses a Selic chegou a atingir valores próximos de 2%, o que é extremamente baixo se comparado ao histórico, o qual girava próximo dos dois dígitos quase sempre. Os créditos imobiliários seguiram a baixa da Selic, girando em uma média de 7,5% ao ano, mas atingindo também uma mínima histórica de 6% ao ano.

No entanto, conforme essa janela dos juros baixos para o setor imobiliário começa a se fechar, seguindo a tendência de alta da Selic em função da inflação, muitos começam a se preocupar. Por se tratar de um investimento de longo prazo, pequenas mudanças na taxa de juros são capazes de afetar drasticamente o valor final do financiamento imobiliário.

Devo financiar o meu imóvel agora?

Para responder essa pergunta é preciso pensar bem caso a caso. O momento ainda pode ser bom para você financiar o seu imóvel se você tem condições para isso. Isso porque não somente o valor final do financiamento deve aumentar, mas também o dos imóveis em um geral, uma vez que houve um grande volume de compras no último período, fazendo com que o estoque de unidades disponíveis se encontre baixo em relação ao número de potenciais compradores.

O mais importante é reforçar a necessidade de um bom planejamento financeiro, para que não se faça maus negócios apenas para aproveitar uma janela de oportunidade.

Isso pode acabar trazendo mais gastos e dores de cabeça pelo endividamento e comprometimento da saúde financeira. Por isso, se você quer comprar um imóvel e não sabe qual é a melhor maneira de fazê-lo, vem bater um papo com a Total. Somos uma consultoria imobiliária especializada com profissionais que estão constantemente se atualizando para oferecer o que há de melhor no mercado.

Acesse o nosso site ou entre em contato pelo WhatsApp!

Deixe um comentário

Artigos recentes